1. O Mochuara

10 jan

Foto surrupiada da página do Clério Borges (http://www.clerioborges.com.br)

Mochuara, coroado por nuvens,
anúncio do castigo das águas
do choro da índia Jaciara –
mesmo tendo a Tupã comovido –
da guerra entre Temiminós e Botocudos,
sobrou seu amor proibido.

F. H.

Há várias versões para a origem do nome Mochuara, uma que gosto é (muito bem!) descrita pelo texto abaixo:

_________________________________________________________________________________

A lenda do monte Mochuara

Fabrisa Leite Barros da Silva

Desde minha primeira infância acostumei-me a ter pela janela de meu quarto a visão de dois belos montes. Um, o Mestre Álvaro, estava no município de Serra, o outro, mais próximo, era o monte Mochuara localizado no município de Cariacica, onde passei boa parte de minha vida, ambos no estado do Espírito Santo.

Ainda criança, a única coisa que me chamava a atenção era a beleza dos montes, a mudança de cor dependendo do dia, o sol se pondo atrás do Mochuara (quantas vezes parei o que estava fazendo pra admirar a beleza), o Mestre Álvaro com seu “capote” de nuvens avisando de que iria chover…

Até o dia em que tomei conhecimento da “estória” destes dois montes.

Uma lenda em torno do monte Mochuara conta que uma bela jovem viu-se apaixonada por um rapaz, forte e tão belo quanto ela, e teve seu amor correspondido.

Porém, quis o destino que os jovens pertencessem a grupos diferentes. Ele, um guerreiro branco; ela, uma indiazinha, frágil e doce.

Por toda a diferença, tiveram seu amor proibido. Mas, não suportando a distância, teimavam em se encontrar.

E, por desobedecerem a seus costumes, foram castigados. Ele tornou-se o monte Mestre Álvaro e ela o monte Mochuara. E assim permanecerão admirando um ao outro, mas sem poderem se tocar.

Mas, diz a lenda que, todos os anos, na noite de São João, é possível ver uma enorme bola de fogo cruzando o céu, de um monte ao outro.

Dessa forma permanece ainda hoje a celebração do amor desses dois jovens, separados e unidos por toda a eternidade.

Hoje, não vivo mais no Espírito Santo. Mas, da mesma forma que os amantes da lenda, eu não me esqueço e sei que não me desligarei de minha terra.

E, por vezes, me pego chegando até a janela para tentar, em vão, visualizar os montes de minha infância.

Fonte: Revista Jangada Brasil, Setembro/2006 – Ano IX – nº 94
http://www.jangadabrasil.com.br/revista/setembro94/es9400935.asp

___________________________________________________________________________________________

Mochuara visto da varanda - Fotos do arquivo pessoal

Algumas curiosidades:

1. A questão do X da explicação ou do negócio do CH da China é secundária e irrelevante;

2. Embora o acesso seja fácil, o cume do monte não é muito espaçoso. Porém, é possível acampar por lá. Uma opção confortável é oferecida pela Estância Vale do Mochuara (http://www.valedomoxuara.com.br/oVale.asp)

3. Um grupo de talentosos músicos carrega o nome de Moxuara. Na estrada desde 1991 o grupo tem belíssimas canções no repertório e merece uma “curiada”. Maiores informações em http://www.moxuara.com.br/joomla_joomla/

 

Anúncios